Temer é o capitão do golpe ou é seu presidente decorativo?

jaca

Não há, a esta altura, em todo o espectro político, da direita à esquerda, quem reconheça Michel Temer como condutor de coisa alguma no regime que se implantou no Brasil desde 12 de maio.

A formação de um ministério “colcha de retalhos”, que já era indício disso, mais ainda o evidenciou quando em duas semanas vieram duas crises incontornáveis e ele só afastou seus (seus?) ministros depois que eles já tinham, na prátia, caído.

Temer ficou menor também quando engoliu o homem de Cunha como seu líder na Câmara, demonstrando que passa pelo presidente afastado Eduardo Cunha qualquer chance – se houver – de aprovar algo por lá, E, assim mesmo, olhe lá, porque tem uma bancada de interesses paroquiais, pouquíssimo propensa a aprovar qualquer coisa que não lhe traga vantagens fisiológicas ou eleitorais e não é nada disso o que ele tem a propor por lá.

No Senado, Romero e Renan torpedeados como estão têm menor capacidade de articulação a oferecer e o que já não davam de bom grado agora mais difícil de de]ar será.

Na economia, até agora – e, se depender da vontade presidencial, até que se consume o afastamento definitivo de Dilma – também não pode oferecer nenhuma sinalização palpável e não há qualquer sinal que o cenário econômico esteja ganhando qualquer alento.

Temer, portanto, está à mercê dos fatos do dia a dia e estes fatos têm sido, vez após outra, escandalosos.

Há poucos sinais que isso possa mudar. O argumento de sua permanência passou a ser “a desgraça que seria ela (Dilma) voltar”, como pontifica  hoje Merval Pereira.

É muito pouco para sustentar um presidente sem voto e sem legitimidade política.

Os analistas, até os mais simpáticos, encimam suas colunas com “Valentia, só para demitir o garçom” (Elio Gaspari), “Ruim com ele, pior sem ele” (Cantanhêde) e poderia citar vários.

Desalentador e pior vai ficar porque a rua não lhe dará a trégua que as pesquisas, muito bem guardadas, ainda lhe dão.

Temer deve conhecer o dístico do brasão de armas da cidade de São Paulo, que sua adoração pelo latim deve fazer sabê-lo de cor: Non ducor, duco.

Não sou conduzido, conduzo.

Parece que, com ele, lê-se o contrário: não conduzo, sou conduzido.

Fonte: Temer é o capitão do golpe ou é seu presidente decorativo?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s